Síndrome de Down - Parte IV

Vimos nas matérias anteriores que a Síndrome de Down tem origem num acidente genético do cromossomo 21, por isso também denominado trissomia do 21, e que as crianças portadoras, apesar das dificuldades podem se desenvolver quase naturalmente dependendo das oportunidades a elas ofertadas desde o nascimento. Os estudos nessa área, se comparadas com outros, demoraram a serem feitos, pois há algumas décadas ainda acreditava-se em má formação do bebê durante a gestação. Hoje se sabe que o acidente genético ocorre durante a formação e uma nova célula ou no momento de sua divisão. Ficou também constatado que as chances do acidente genético aumentam em mães com mais de trinta e cinco anos, pais com mais de cinqüenta e cinco ou um dos dois, independente da idade, tenham um defeito genético não manifestado podendo ser herdado pelo filho. Claro, não é uma regra, mas as chances são maiores como também não serão todos os filhos a herdar a Síndrome.

Com todos os recursos da Medicina e da Ciência, hoje é possível detectar a Síndrome durante a gestação, mas não a correção ou evitar a manifestação.

PUBLICIDADE

Como vimos nas semanas anteriores, a hipotonia caracterizada pela flacidez muscular e ligamentar é um dos problemas que acompanha a criança por toda a vida, mas que varia de intensidade caso a caso. Sendo assim, depois de uma profunda avaliação das reais condições físicas e psicológicas da criança e suas limitações, a prescrição de exercícios físicos para a população especial deve seguir critérios rígidos para não causar atrasos no desenvolvimento mantendo o interesse em alta. 

A atividade física é de fundamental importância na qualidade de vida de qualquer ser humano e nas crianças com a Síndrome não é diferente. Também vimos de que forma e porque a natação e a equoterapia podem beneficiar o desenvolvimento assim como a variedade de atividades de acordo com a preferência da criança.

Como a musculação e/ou a ginástica localizada aumentam a resistência muscular, se caracterizando numa atividade que pelo menos teoricamente poderia influenciar de modo positivo na melhora da hipotonia muscular que afeta as crianças com a Síndrome, seria essa atividade indicada? Teoricamente sim e existe trabalho publicado pela professora Mestre e Doutoranda em Educação Especial Maria Georgina Marques Tonello da UFSCar e colaboradores. Embora o trabalho tenha sido feito com apenas um voluntário, o treinamento promoveu aumento desejado da resistência muscular localizada de todos os grandes grupos musculares envolvidos: peitoral, costas e abdome. Entretanto, também proporcionou alterações em outras medidas antropométricas tais como o peso corporal, dobra cutânea subescapular, circunferência do tórax, da cintura, do antebraço direito, do quadril e massa magra, o que sugere mais estudos posteriores.

O treinamento da resistência muscular foi priorizado visando a melhora das atividades funcionais do ser humano que no caso melhorou: andar, correr, brincar, subir e descer escadas, passear, trabalhar e etc. sem se cansar. 

PUBLICIDADE

Sabe-se que outro problema acompanhando as crianças com a Síndrome é a obesidade com origem na disfunção da tireóide. Sobre isso os professores Hernán Ariel Villagra e Laura Luna Oliva (Espanha), realizaram um grande estudo com 504 crianças de ambos os sexos com idades variando entre 6 e 17 anos afetadas com a Síndrome, todas alunos de colégios específicos de Educação Especial de comunidades autônomas de Madrid. Eles compararam o índice gordura corporal entre as crianças que não praticam atividades físicas com as que praticam atividades generalizadas e a natação. O resultado mostrou que as do grupo não praticantes têm índices de gordura maior e entre os grupos das atividades generalizadas e a natação o índice é menor com ligeira vantagem para as atividades gerais.

Ficou claro que os problemas de obesidade se acentuam na adolescência entre 15 e 16 anos para ambos os sexos havendo mais concentração de gordura central sugerindo incentivo maior de prática de exercícios físicos nessa fase. Sabe-se que gordura central está relacionada com possíveis problemas cardíacos para qualquer pessoa, imaginem para as portadoras da Síndrome. Enfim, como falamos durante todas as matérias as crianças com a Síndrome de Down necessitam de cuidados, não de isolamento.

PUBLICIDADE


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Para Refletir: Ninguém é tão poderoso a ponto de tudo querer e tudo poder. Todos nós temos o ponto forte e o ponto fraco. Valorize os seus pontos fortes e o dos outros também. A vida vale à pena.
Sobre a Ética: O código de ética é escrito e normatizado para os que têm dúvidas de como se comportar com os colegas de trabalho e/ou os clientes.

Artigos Relacionados:
Atividade Física e Síndrome de Down
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte II
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte III - dados e os fatos
Síndrome de Down
Corrida durante a gravidez
Coração de Mãe
Reduzir o risco de doença cardíaca e aspirina
Riscos de doenças cardíacas
Hipertireoidismo
Exame TSH
Hiperparatireoidismo
Síndrome de Cushing - O que é, causas, sintomas e tratamento
Hiperplasia adrenal congênita - O que é, causa, sintomas, tratamento
Transtornos das glândulas adrenais - Síndrome de Cushing, hiperplasia adrenal congênita, tumores pituitários
Bócio - Causas, tratamento
Hipotireoidismo - O que é, causas
Hipotireoidismo - Sintomas e tratamento
Hipotireoidismo - O que é, causas, sintomas, gravidez e tratamento
Hipoparatireoidismo - O que é, causas, sintomas, tratamento
Tireoidite de Hashimoto - O que é, sintomas, tratamento
Hipotireodismo - glândula tireóide, causas, sintomas, tratamento
Tireóide - Hipotiroidismo e Hipertiroidismo
Doença de Alzheimer e fisioterapia
Ômega 3 pode prevenir mal de Alzheimer
Leucemia - o que é, sintomas, tipos, causas, tratamento
Saúde da criança e escolhas saudáveis
Depressão infantil
Cães ajudam jovens com síndrome de down
Recomendações para a prática de atividade física
Importância e benefícios da atividade física na saúde
Atividade física regular e controle de peso
Exercícios físicos e emagrecimento
Deficiência mental e Síndrome do X frágil
Gravidez ectópica e tubária
Exercícios físicos e atividade física na gravidez
Anencefalia
Icterícia em bebês recém-nascidos
Síndrome de Menkes
Distrofia muscular de Duchenne - O que é, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento
Síndrome do X frágil - O que é, sintomas, tratamento
Fenilcetonúria - O que é, sintomas, tratamento, dieta
Síndrome de Rett - Causa, sintomas, tratamento
Síndrome de Prader-Willi - O que é, sintomas, tratamento
Defeitos do tubo neural - Espinha bífida e anencefalia
Persistência do canal arterial - O que é, causas, sintomas, tratamento
Defeito cardíaco congênito - Sintomas e tratamento
Defeitos cardíacos congênitos - O que são, tipos
Defeitos de Nascença - O que são, chances de ter
Defeitos de Nascença - Genética, consumo de álcool, drogas e cigarro
Dinâmicas de Grupo e Atividades Recreativas para Crianças e Adolescentes
Hábitos de vida saudável
Vencer a si mesmo no esporte
Criança esperta não engorda e nem vira adulto problema
Criança não é adulto em miniatura para fazer musculação - Treinamento de força
Psicomotricidade das crianças
Treinamento aeróbio das crianças
Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Texto copyright © por Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 003529
lcmoraes@petrobras.com.br | lcmoraes@compuland.com.br  
Visite www.noticiasdocorpo.com.br e http://www.saudeviver.com.br/saudeviver/?id=26
Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 3529