Síndrome de Down - Parte III - Os Dados e os Fatos

Segundo o Ministério da Saúde (1998), no Brasil a cada ano nascem cerca de oito mil bebês portadores da Síndrome de Down. Para Gallagher, 1990 representa um a cada dois mil nascidos vivos, independente de raça, gênero ou classe social, razão suficiente para haver mais estudos e especialização de profissionais para cuidar dessas crianças.

Na semana passada vimos que, se liberadas pelo médico elas devem fazer atividade física. Também vimos que a questão respiratória acompanhada da hipotonia muscular a natação é aconselhada por não ser uma atividade natural do ser humano tendo que aprender a dominar as características físicas da água para flutuar, se deslocar e respirar. A respiração requer atividade constante dos músculos escaleno, intercostais internos e externos ajudando a reverter a hipotonia muscular. Além disso, existe consenso entre os fisiologistas apontando a natação como uma das melhores atividades capazes de desenvolver a capacidade cardiorrespiratória. Essa valência física é essencial para as atividades funcionais do ser humano. Ou seja. Andar, correr, brincar, passear, subir escadas, trabalhar e viver normalmente sem se cansar.

PUBLICIDADE

Existem poucos trabalhos nessa área, entretanto um dos disponíveis na Internet conduzido pela professora Rita de Cássia P. P. Homem e Jônatas F. Barros, da Faculdade de Educação Física UnB. Através de testes em ciclo-ergômetro, mediram o consumo sub-máximo de oxigênio e a ventilação-minuto sub-máxima de 23 indivíduos, sendo 11 do sexo masculino e 12 do sexo feminino, com idades variando entre 14 e 43 anos portadores da Síndrome de Down participantes de atividades esportivas no Núcleo de Atendimento Esportivo para Pessoas Portadoras de Deficiência Mental (NAEPPDM) da Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília (UnB). O objetivo foi comparar a capacidade cardiorrespiratória dos indivíduos praticantes da natação com os praticantes do tênis de campo, atletismo, escalada, hóquei sobre piso, handebol e futebol de salão, pelo menos 50 minutos três vezes por semana, atividades oferecidas pelo Núcleo. Embora o resultado não tenha sido expressivo, na população estudada o grupo da natação demonstrou maiores níveis de aptidão cardiorrespiratória. Além disso, o grupo alcançou o percentual de freqüência cardíaca proposto pelo teste enquanto os praticantes das outras modalidades interromperam o teste antes de alcançar o objetivo. O trabalho mostrou os meninos possuindo capacidade cardiorrespiratória maior que as meninas e todas, em qualquer modalidade esportiva, fisiologicamente falando se desenvolvem da mesma forma que as não portadoras.

O fato das crianças praticantes das outras modalidades ter interrompido o teste não significa incapacidade. Se comparadas com as que, por vários motivos não fazem atividade física, ainda assim possuem capacidade cardiorrespiratória maior.

Um outro estudo conduzido por Alessandra Deboletta, Regina Célia D. Galvani e Paula A. Magnani Seabra da Universidade de Marília concluiu que portadores da Síndrome se interessam pela atividade física. No caso o estudo foi realizado entre freqüentadores da APAE das cidades de Pompéia e Marília SP tendo como objetivo relacionar a prática da atividade física com a melhora intelectual e rendimento nas outras aulas. O resultado apontou que 24% dos portadores preferem o futebol seguido por 20% do basquete e 20% a natação e todos obtiveram melhora substancial no relacionamento e rendimento nas outras aulas. Isso ressalta a importância do profissional de Educação Física conduzir a atividade física para as preferências das crianças pensando no desenvolvimento global e não o rendimento puramente esportivo.

PUBLICIDADE

Outra atividade apresentando ótimos resultados físicos e psíquicos aos portadores da Síndrome é a equoterapia. O andar à cavalo induz à execução de movimentos tridimensionais horizontais (direita, esquerda, frente e trás) e verticais (para cima e para baixo) atuando no sistema nervoso profundo responsável pelas noções de equilíbrio, distância e lateralidade dando à criança confiança e coordenação. Importante. A equoterapia só é permitida ao portador da Síndrome que não tenha instabilidade Atlanto-Axial. No mais, é deixar as crianças se desenvolverem com cuidado, sem exageros e sem preconceito.

PUBLICIDADE


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Para Refletir: A derrota nem sempre é uma perda. Pode ser uma boa oportunidade de aprender a lição.
Sobre a Ética – Fazer comentário agressivo, negativo ou até mesmo fazer pouco caso de outro profissional em público fere o Código de Ética de qualquer classe.
Para saber mais acesse: http://www.comunidadesegura.org/?q=pt/node/30322

Artigos Relacionados:
Atividade Física e Síndrome de Down
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte II
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte IV
Síndrome de Down
Corrida durante a gravidez
Coração de Mãe
Reduzir o risco de doença cardíaca e aspirina
Riscos de doenças cardíacas
Hipertireoidismo
Exame TSH
Hiperparatireoidismo
Síndrome de Cushing - O que é, causas, sintomas e tratamento
Hiperplasia adrenal congênita - O que é, causa, sintomas, tratamento
Transtornos das glândulas adrenais - Síndrome de Cushing, hiperplasia adrenal congênita, tumores pituitários
Bócio - Causas, tratamento
Hipotireoidismo - O que é, causas
Hipotireoidismo - Sintomas e tratamento
Hipotireoidismo - O que é, causas, sintomas, gravidez e tratamento
Hipoparatireoidismo - O que é, causas, sintomas, tratamento
Tireoidite de Hashimoto - O que é, sintomas, tratamento
Hipotireodismo - glândula tireóide, causas, sintomas, tratamento
Tireóide - Hipotiroidismo e Hipertiroidismo
Doença de Alzheimer e fisioterapia
Ômega 3 pode prevenir mal de Alzheimer
Leucemia - o que é, sintomas, tipos, causas, tratamento
Saúde da criança e escolhas saudáveis
Depressão infantil
Cães ajudam jovens com síndrome de down
Recomendações para a prática de atividade física
Importância e benefícios da atividade física na saúde
Atividade física regular e controle de peso
Exercícios físicos e emagrecimento
Mudança Climática e Educação Física
Deficiência mental e Síndrome do X frágil
Gravidez ectópica e tubária
Exercícios físicos e atividade física na gravidez
Anencefalia
Icterícia em bebês recém-nascidos
Síndrome de Menkes
Distrofia muscular de Duchenne - O que é, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento
Síndrome do X frágil - O que é, sintomas, tratamento
Fenilcetonúria - O que é, sintomas, tratamento, dieta
Síndrome de Rett - Causa, sintomas, tratamento
Síndrome de Prader-Willi - O que é, sintomas, tratamento
Defeitos do tubo neural - Espinha bífida e anencefalia
Persistência do canal arterial - O que é, causas, sintomas, tratamento
Defeito cardíaco congênito - Sintomas e tratamento
Defeitos cardíacos congênitos - O que são, tipos
Defeitos de Nascença - O que são, chances de ter
Defeitos de Nascença - Genética, consumo de álcool, drogas e cigarro
Dinâmicas de Grupo e Atividades Recreativas para Crianças e Adolescentes
Hábitos de vida saudável
Vencer a si mesmo no esporte
Criança esperta não engorda e nem vira adulto problema
Criança não é adulto em miniatura para fazer musculação - Treinamento de força
Psicomotricidade das crianças
Treinamento aeróbio das crianças

Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Texto copyright © por Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 003529
lcmoraes@petrobras.com.br | lcmoraes@compuland.com.br  
Visite www.noticiasdocorpo.com.br e http://www.saudeviver.com.br/saudeviver/?id=26
Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 3529