Serenoa repens contra hiperplasia prostática benigna

Médico conversando com paciente - CDC

Uso da serenoa repens na fitoterapia

A serenoa repens é usada principalmente para sintomas urinários associados ao aumento da próstata, também chamado de hiperplasia prostática benigna. Serenoa repens também é usada para outras condições médicas, como dor pélvica crônica, transtornos da bexiga, diminuição no desejo sexual, perda de cabelo e desequilíbrios hormonais.

Como a serenoa repens é usada

A fruta da serenoa repens é usada de várias formas e é disponível como extrato líquido, tabletes, cápsulas, chás e infusão.

PUBLICIDADE

O que a ciência diz sobre a serenoa repens

Vários pequenos estudos sugerem que a serenoa repens pode ser eficiente para tratar sintomas de hiperplasia prostática benigna. Em 2006 um grande estudo de 225 homens com hiperplasia prostática benigna moderada a severa não encontrou melhoras com o uso diário de 320 mg de serenoa repens por 1 ano em comparação com placebo. Não há evidência científica suficiente para dar suporte ao uso de serenoa repens para a diminuição da próstata aumentada ou para qualquer outra condição médica.

Efeitos colaterais e precauções no uso da serenoa repens

A serenoa repens pode causar efeitos colaterais moderados, com desconforto estomacal. Alguns homens usando serenoa repens relataram efeitos colaterais como mama sensível e diminuição no desejo sexual. Pessoas usando serenoa repens como fitoterápico devem informar isso ao seu médico.

Saiba mais:
Prostatite crônica e aguda
Aumento de próstata - Tratamento com laser
Toque retal e psa da próstata - Exames
Tamanho da próstata e sua função
Câncer de próstata - Sintomas, tumores benignos e malignos
Câncer de próstata - Tratamento
Aumento da próstata - Hiperplasia prostática benigna
Próstata e alimentação
Próstata e problemas urinários

PUBLICIDADE

 


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Tradução: © 2009, Hélio Augusto Ferreira Fontes
Texto: National Center for Complementary and Alternative Medicine