Riscos de doenças cardíacas

Rendas elevadas, mais acesso à comida, alteração de hábitos e piores índices de colesterol e obesidade. O conhecido caminho percorrido pelas doenças cardíacas não é mais visto apenas nos chamados países do primeiro mundo.

Pesquisa que será publicada na edição de maio da PLoS Medicine mostra que problemas como obesidade e níveis elevados de colesterol cresceram de forma assustadora tanto nos países em desenvolvimento como nos mais pobres. O trabalho utilizou dados como renda per capita e índice de massa corporal (IMC) obtidos em cem países. Vários outros indicadores foram analisados.

PUBLICIDADE

Pelos cálculos realizados por Majud Ezzati, da Escola de Saúde Pública de Harvard, e colaboradores, os números do IMC e do colesterol de uma população crescem de forma vertiginosa até uma renda per capita de US$ 12,5 mil para mulheres ou de US$ 17 mil, no caso dos homens. Apenas para comparação, enquanto o brasileiro tem uma renda per capita de US$ 2,8 mil, os norte-americanos chegam aos US$ 37,3 mil.

O artigo Rethinking the “Diseases of Affluence” Paradigm: Global Patterns of Nutritional Risks in Relation to Economic Development mostra que o aumento da renda está diretamente associado com os aumentos do IMC e dos níveis de colesterol. Outro fator que causa um impacto maior sobre o coração das pessoas é o fato de que mais e mais habitantes da Terra vivem em cidades. Isso altera, de forma drástica, o padrão alimentar e de vida das pessoas.

PUBLICIDADE

Para Ezzati e colegas, está claro que o crescimento do risco de desenvolver doenças cardíacas ocorre de forma mais concentrada em países pobres ou em desenvolvimento do que entre os mais ricos. Depois de se atingir o ponto de viragem da renda per capita, os problemas chegam a decrescer em alguns casos.

A partir dos resultados obtidos pelos pesquisadores de Harvard, a recomendação é bastante recorrente. Prevenir a obesidade, controlar a pressão sangüínea, o colesterol e o consumo de cigarro não são medidas que devem ser adotadas, a partir de agora, apenas entre as populações mais ricas do mundo.
Fonte: Agencia Fapesp, 04/05/2005.

PUBLICIDADE


Artigos relacionados: colesterol, obesidade, índice de massa corporal (IMC) , Atividade Física e Síndrome de Down
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte II
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte III - dados e os fatos
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte IV
Dieta Natural e Alimentos Naturais
Percentual de gordura em corredores
Dieta para manter o peso
Dieta para perder kg
Tabela de peso ideal pelo IMC
IMC para crianças e adolescentes



 

Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Use essa ferramenta abaixo pesquisar nesse site:  

Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar: