Peteca - História e fisiologia

Peteca

História da Peteca

Abrindo nosso espaço semanal vamos começar com um teste de conhecimento: Qual o país que deu origem ao jogo de peteca? Foi a China? O Japão? Os Estados Unidos? O Brasil? Ou foi a Inglaterra?

Se você respondeu a China ou Japão... A resposta está errada. Isso mesmo. A peteca é o mais brasileiro dos esportes sendo a mais forte herança e contribuição indígena para a nossa Educação Física e esportes brasileiro.

O Nome vem de Pe' Teka e significa bater. Imaginem só! Os historiadores dizem que os índios jogavam com um material feito com pedras envolvido em folhas de árvore, amarrados numa espiga de milho.

Durante décadas foi apenas uma diversão transformando-se em atividade esportiva oficializado pelo Conselho Nacional de Desportos (CND) em 27 de agosto de 1985, graças à insistência e luta da Federação Mineira de Peteca (FEMPE).

PUBLICIDADE

Os mineiros e brasilianos são os mais aficionados ao esporte, embora em São Paulo e Espírito Santo as pessoas também pratiquem esta modalidade com certa regularidade.

Depois de oficializado, o jogo de peteca passou a ter regras simples mas bem definidas e com certa similaridade com o vôlei. A quadra mede 15 metros de comprimento por 7,5 metros de largura e a rede tem a altura de 2,43 m. Oficialmente o joga-se me duplas e cada lado tem o direito a uma rebatida. A duração do jogo vai de 20 a 40 minutos em três sets de 6 pontos e a peteca pode pesar até 50 gramas feita de borracha com 4 penas.

Os campeonatos também são divididos em faixas etárias de 14 a 20, 21 a 30, 31 a 40, 41 a 40, 51 a 60 e acima de 60 anos.

Como no vôlei, tem o serviço, a vantagem, o ponto, um juiz, um auxiliar, um mesário, o fiscal de linha, cartões amarelo e vermelho mas o jogador expulso pode ser substituído ou não com a perda da partida conforme o regulamento regional.

Pode-se jogar tanto em quadras de grama, cimento, madeira e até mesmo na areia. Nas cidades litorâneas, as prefeituras inteligentes que sobrevivem do turismo estão estimulando a peteca de praia demarcando espaços ao lado do vôlei procurando proporcionar o máximo de variedades esportivas atraindo a galera da "malhação" em férias. São boas opções para sair da rotina sem parar com as atividades físicas.

O jogo de peteca cruzou fronteiras tornando-se mais conhecida no exterior, ainda como recreação em 1920 quando a equipe Olímpica de natação usava a atividade como aquecimento.

Mais recentemente o professor Boa Ventura da Silva, em viagem de estudos na área de Educação Física nos Estados Unidos citou em um de seus exames a peteca, despertando o interesse dos americanos, tanto é que passou a fazer parte do programa do Michigan States College.

PUBLICIDADE

Fisiologia do jogo de peteca

Aos olhos da Fisiologia, é um esporte essencialmente aeróbio embora em determinados momentos, quando os competidores são mais experientes, a capacidade anaeróbia pode ser bastante desenvolvida. A noção de espaço, raciocínio rápido para antecipar as jogadas, a velocidade de deslocamento e os reflexos, também podem melhorar, dependendo do "calor" da competição e das torcidas. Na areia pode servir de preparação física alternativa nos períodos de transição de atletas de outras modalidades sem a perda e ou a manutenção da valência física força.

Requerendo pouco espaço e de ser de baixo custo, é considerado um esporte de massa porque pode ser praticado em qualquer idade e em alguns clubes mineiros é uma máquina de fazer amigos. Como não existe o contato físico, as pessoas brincam, se divertem e se aproximam sem mágoas de uma entrada faltosa ou desleal como por vezes acontece por exemplo no futebol.

Para quem pensa que esse brasileiríssimo esporte não é popular, o primeiro Campeonato Brasileiro aconteceu em 1987 depois de normatizado pela Confederação de Desportos Terrestres (CBDT). Taí mais uma opção esportiva, não propriamente de verão, mas pode-se promover campeonatos em praça pública... E como envolve poucos recursos, não é preciso ficar esperando iniciativa da Prefeitura, né?

Para quem está ou vai sair de férias - Como tudo estará fora da rotina, os exercícios também não fogem á regra mas, é preciso fazer alguma coisa. Sendo assim o ideal é escolher as atividades prazerosas e de fácil acesso como por exemplo as ao ar livre: caminhada, corrida, se estiver na praia nadar e etc. Nada impede também, de na cidade onde estiver, fazer uma visita nas academias e negociar umas aulas avulsas. O importante, se a viagem for de férias, é não ficar muito preso à rotina de treinamento mas, ao fazer as malas não esqueça a indumentária de malhação.

Nem Papai Noel Acredita... É, o Natal passou de novo e a agarotada alimentou o sonho de presente da Papai Noel, quase sempre realizado. Isso porque de um modo geral as crianças pedem o presente que lá no íntimo sabem que podem ser atendidas. Ou seja, um sonho mais realista. Elas sabem das limitações que as rodeiam, mas o mesmo não costuma acontecer com boa parte da "galera" acostumada a procurar as academias nessa época do ano. O garoto franzino tem por vezes sonhos impossíveis. Ficar muito forte e, em muito pouco tempo. A garota, digamos meio gordinha, desejando emagrecer "horrores" para daqui há quinze dias entrar num lindo vestido que viu na vitrine. Papai Noel não é mágico e muito menos os profissionais de Educação Física.

Quando se traça objetivos de ganho de força ou hipertrofia muscular, deve-se levar em conta muitos fatores, entre eles as medidas antropométricas que também é um dado genético. Duas pessoas de mesma estatura, mesmo peso, mas com medidas de braço, tronco e pernas diferentes, os mais "troncudos" e com braços mais curtos possivelmente irão desenvolver força mais rapidamente medida no teste de 1 RM (uma Repetição Máxima). Os braços de resistência, das alavancas são favoráveis.

Na contramão da história, as mulheres que desejam desenvolver força ou "definição muscular", como elas chamam, dificilmente irão conseguir se não aumentarem a carga. Ficar fazendo séries de tríceps com halter de 1 quilinho a vida toda, vai continuar dando "até logo" como tudo balançando.

O bumbum não vai endurecer fazendo quatro apoios com caneleira leve. É mole? É.

Nessa escalada de sonhos irreais vem os prejudiciais à saúde com relação à perda de peso. Em primeiro lugar isso deve acontecer de modo lento, gradual e regressivo. Em segundo, na programação deve estar incluído exercícios contínuos somado à restrição e ou reeducação alimentar. Fazer "só" dieta pode dar resultado, mas os músculos continuam flácidos. Fazer "só" exercícios sem "fechar a boca" os músculos ficam mais fortes mais o percentual de gordura pode não diminuir muito.

Do outro lado dessa moeda, estão as pessoas que acabam fazendo o exercício e a dieta virarem uma doença. O corpo tanto de homens como de mulheres precisam de um percentual mínimo de gordura essencial e de armazenamento. A primeira refere-se as presentes na medula óssea, tecido nervoso e nos órgãos, garantindo um bom funcionamento biológico. A de armazenamento é a reserva energética depositada debaixo da pele e nos depósitos viscerais.

McArdle, entre outros especialistas sugerem um percentual total de gordura de 12% para os homens e 15% para as mulheres partindo da premissa a saúde. Os valores de gordura de reserva e essencial também são diferentes entre homens e mulheres por causa das funções hormonais. Uma redução drástica de gordura essencial pode ser muito prejudicial à saúde além da própria atividade física não apresentar o mesmo rendimento.

É isso aí galera da malhação. A ciência já evoluiu bastante e ficar forte ou emagrecer em muito pouco tempo... nem Papai Noel acredita mais.

Cartas para: lcmoraes@compuland.com.br

Para Refletir: Quem insiste nos erros antigos perde tempo em não cometer pelo menos uma porção de novos erros.

Sobre a Ética - Ética implica necessidade do saber para melhor promover a saúde de nossos semelhantes com segurança, sem fronteiras, preconceitos e arrogância.

Saiba mais:
Tênis - História e fisiologia
Frescobol - História e fisiologia
História do handebol - Origem e evolução
Natação também tem história
História da capoeira e origem
Futebol - História e qualidade física
Período em que a Copa do Mundo foi suspensa
Países participantes das Copas do Mundo
Curiosidades da Copa do Mundo
História do futebol
Egito, Mesopotâmia e Grécia pré-clássica
Jogos Olímpicos da Antiguidade 
Origem da Maratona
Corrida entre os nativos das Américas
História das Olimpíadas - A volta


PUBLICIDADE


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Texto copyright © 2010 por Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 003529
lcmoraes@petrobras.com.br | lcmoraes@compuland.com.br  
Leia mais artigos sobre esporte e saúde no site Notícias do Corpo