Hábitos de vida saudável começam cedo com exemplos dentro de casa

- Agora só vou comprar para você coca-cola zero!
- Ah pai... Mas eu não gosto de coca-cola zero!
- Não interessa. Você está engordando muito!

Esse é um dos papos de praia que ouvi pertinho de mim. Estava ali uma família de quatro pessoas sendo dois adultos mais duas crianças. O pai era um daqueles “Homo Barrigudus” que citei na matéria anterior.

Sentado numa daquelas cadeirinhas de praia exibindo uma bela barriga trazia todo o aparato de praia: guarda-sol, cadeirinhas, toalhas, filtro solar e uma mesinha que em momento algum ficava vazia cheia de tudo que se vende na praia para comer e beber. Tudo “engordaight”. O garoto também já exibia uma bela barriguinha. Brincava na água e a toda hora vinha na tal mesinha comer o que tivesse e beber uma coca-cola.

PUBLICIDADE

O que me chamou a atenção não foi o fato da comilança e nem o pai dizer que o garoto ao término das férias iria passar a beber somente coca-cola zero querendo dizer que somente o garoto, precisava emagrecer.

Esse é o problema. Um dos motivos das crianças hoje em dia estarem com sobrepeso a culpa não é delas. E sim da família que as educaram comendo muito e fazendo pouca atividade física. Como pode um pai exigir que o filho emagreça sem exemplos dentro de casa? Como pode uma criança ser privada de alimentos que engordam se a geladeira está cheia deles. Qualquer tentativa de emagrecimento tem grande chance de dar errado se a família não ajudar. – “Quem tá fazendo regime é você”!

De modo geral há uma tendência da gente também acreditar que o excesso de comida venha a ser o principal fator da obesidade. Sabe-se que não é bem assim porque se assim fosse, bastaria uma redução e/ou um controle alimentar qualquer as pessoas emagreceriam com a maior facilidade. Umas têm muita facilidade de engordar enquanto outras engordam e emagrecem com a maior tranqüilidade. 

PUBLICIDADE

Sem dúvida nenhuma existem outros fatores, tais como os genéticos, ambientais, sociais e provavelmente raciais. Uma família de gordos, certamente tem hábitos e valores incorporados, que se tiver um magro no meio estará fora de sintonia. Vale ressaltar também que distúrbios hormonais, segundo dados da O. M. S. (Organização Mundial de Saúde) e as fontes citadas por McArdle, raramente são apontados como a causa principal. Pode sim, é a obesidade gerar uma série de distúrbios hormonais. Ou seja, não é o distúrbio hormonal o causador, e sim a obesidade a causadora dos supostos distúrbios vindo em cascata.

Há alguns anos fala-se na mutação de um tal gene chamado OB como responsável pela obesidade. Com base em pesquisas com ratos, constatou-se que esse gene tem ação direta numa proteína, descoberta em 1994, produzida no tecido adiposo e transportada pela circulação sangüínea para o cérebro chamada de Leptina (Do Grego Leptos significando magro) ou simplesmente OB. Sua ação é controlar a saciedade de acordo com a quantidade calórica dos alimentos ingeridos para manter o nível de gordura corporal. É como se fosse, por assim dizer, uma válvula instalada no hipotálamo regulando a ânsia de comer. A leptina quando injetada em camundongos mostrou-se capaz de reduzir o peso corporal e o tecido adiposo. 

Aquele sujeito que costumamos dizer: “não engorda de ruim”, especula-se ter uma boa produção de leptina. As pessoas obesas teriam o gene OB defeituoso a tal ponto de nunca se sentirem saciadas e comerem compulsivamente. De certa forma esse gene OB vem lá dos nossos ancestrais que corriam atrás da caça, mas não sabiam quando iriam comer de novo. Assim o corpo guardava energia em forma de gordura para resistir um longo período sem alimento.

Essa teoria de acúmulo de gordura como forma de conservação de energia visando à preservação da vida também se manifesta no recém-nascido chegando a 16% do peso corporal. De fato. Quando vemos um bebê rechonchudo geralmente associamos à saúde ao contrário de um bebê prematuro com pouco peso necessitando de cuidados especiais. À medida que vamos crescendo o corpo tem necessidade de atividade física e menos gordura corporal embora ela seja a principal responsável pela capacidade de resistência do corpo.

Desejar que seu filho emagreça, dê o exemplo. Os hábitos de vida saudável deve mesmo começar cedo, pois como diziam nossos avós: “é de pequenino que se torce o pepino”.

Cartas para: lcmoraes@compuland.com.br - Luiz Carlos de Moraes CREF1 RJ 003529

Para Refletir: No banheiro todo mundo faz alguma coisa além de tomar banho. Muitas vezes é lá que surgem as boas idéias, mas somente as colocadas em prática. (Moraes 2011).

Sobre a Ética: Ninguém quer ir para o inferno, mas se você está indo na direção dele faça alguma coisa para mudar a direção. Qualquer uma é melhor do que nenhuma. (Moraes 2011).

Saiba mais:
Como praticar mais atividades físicas
Como ter uma vida mais longa e saudável
Mudanças no estilo de vida, da saúde à doença
Como fazer seu filho se alimentar bem e praticar atividade física
Alimentação saudável para crianças
O “homo barrigudus” vive menos
Criança esperta não engorda e nem vira adulto problema
Treinamento para crianças
Musculação para a criança e adolescente
Aspectos psicológicos e a obesidade infantil
Mitos sobre obesidade infantil
Educação física - Ferramenta no combate a obesidade infantil
Prescrição de atividade física para criança
Treinamento aeróbio das crianças
Estilo de vida saudável
Hábitos Saudáveis de Vida
Alimentação saudável também se aprende na escola
Fatores de risco para a obesidade infantil
Obesidade na adolescência
Prevenção de doenças cardiovasculares
A obesidade dos bebês pode retardar o desenvolvimento motor
Bebê magrinho será um adulto sadio
Como ajudar seu filho a praticar mais atividades físicas
Alimentação Saudável - Que alimentos comer, ideias para emagrecer
Como ajudar seu filho acima do peso
Personal diz que o principal responsável pelos maus hábitos das crianças são os pais
Quanta atividade física as crianças precisam
Dicas para os pais ajudarem seus filhos a manter um peso saudável
Como fazer que seu filho seja fisicamente ativo
Você pode aumentar seu tempo de vida?
Jogo patológico ou vício em jogos de azar


PUBLICIDADE


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Texto copyright © 2011 por Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 003529
lcmoraes@petrobras.com.br | lcmoraes@compuland.com.br  
Leia mais artigos sobre esporte e saúde no site Notícias do Corpo