Reconhecendo a Esquizofrenia: Causas e Tratamentos

Pessoa com esquizofrenia - NIH

Como seria ouvir vozes ou ver pessoas e coisas que realmente não estão ali? Como você se sentiria se as pessoas parecessem querer te ferir e não soubesse em quem confiar? Você reconheceria que algo está errado?

Infelizmente, a maioria das pessoas com esquizofrenia não percebem que seus sintomas são sinais de alerta de um transtorno mental. Suas vidas podem ser confusas, mas ainda assim elas podem acreditar que suas experiências são normais. Ou então elas pode acham que são abençoadas ou amaldiçoadas com sinais especiais que os outros não conseguem ver.

Esquizofrenia é um transtorno mental que afeta em torno de 1% da população. Ela afeta igualmente homens e mulheres de todos ou grupos étnicos. Os sintomas frequentemente começam entre os 16 e 30 anos, sendo a maioria entre 18 e 22. É incomum desenvolver esquizofrenia depois dos 45 anos de idade.

PUBLICIDADE

Causas da esquizofrenia

Muitas décadas atrás pesquisadores acreditavam que esquizofrenia era causada por criação inapropriada. Agora, cientistas reconhecem que a causa da esquizofrenia é uma combinação de genes e ambiente.

“Sabemos, através de estudos com gêmeos idênticos, que quando um tem esquizofrenia, ou outro tem 50% de chances de ter a doença, indicando que os genes são responsáveis por metade do mecanismo envolvido na esquizofrenia”, diz Dr. José A. Apud, diretor clínico do programa de pesquisa da esquizofrenia no National Intitutes of Health (NIH).

Porém, uma vez que esses gêmeos são geneticamente idênticos, outros fatores devem contribuir para a esquizofrenia. Alguns cientistas identificaram fatores ambientais que podem ter influência na doença. Porém, os pesquisadores não concordam inteiramente quando e como esses fatores podem engatilhar a doença.

PUBLICIDADE

Vários genes têm sido relacionados à esquizofrenia. Porém, cada um desses parece ter apenas um pequeno efeito na probabilidade de desenvolver a doença. “Se pudéssemos entender os genes e seus mecanismos, poderíamos ser capazes de desenvolver medicamentos que atacassem melhor a doença”, diz Dr. Apud.

Tratamentos para esquizofrenia

Embora esquizofrenia não tenha cura, dois tipos principais de tratamento podem ajudar. “A primeira linha de tratamento sempre é a medicação, especialmente com antipsicóticos”, diz Dr. Apud. “Depois usamos apoio de psicoterapia”.

Os pacientes frequentemente tentam medicamentos diferentes para ver quais funcionam melhor. Alguns tipos de antipsicóticos podem causar ganho de peso, o qual contribui para diabetes e colesterol alto. Outros tipos podem causar uma desordem na qual a pessoa não consegue controlar os movimentos musculares. Apesar desses possíveis efeitos colaterais, antipsicóticos geralmente melhoram a vida da maioria dos pacientes.

Os problemas aparecem quando os pacientes param de tomar a medicação, o que é comum. Um estudo patrocinado pelo NIH descobriu que a maioria dos pacientes para de tomar antipsicóticos nos primeiros 18 meses de tratamento. “Uma vez que os pacientes têm problemas com julgamento e discernimento, eles podem não perceber que precisam de tratamento”, diz Dr. Apud. “Efeitos colaterais também tem papel importante na interrupção da medicação pelos pacientes”. Pessoas com esquizofrenia frequentemente precisam dos amigos e familiares para que continuem com o tratamento. 

Saiba mais:
Esquizofrenia - O que é, causas, tratamento
Esquizofrenia - Sintomas
Esquizofrenia - Causas
Paranóia
Alucinação - Alucinações visuais, auditivas - Causas e tratamento
Esquizofrenia paranóide
Esquizofrenia - Tratamento
Genética da esquizofrenia


PUBLICIDADE


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Tradução: copyright © 2015 por Helio Augusto Ferreira Fontes
Texto: NIH – National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases