Distrofia muscular de Duchenne - O que é, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento

O que é a distrofia muscular de Duchenne

A distrofia muscular de Duchenne é uma forma rápida e progressiva de distrofia muscular, que ocorre primariamente em meninos. Ela é causada por uma alteração (mutação) em um gene chamado DMD. Esse gene pode ser herdado em famílias pelo cromossomo X, porém freqüentemente ocorre em famílias sem histórico para essa condição. Pessoas com distrofia muscular de Duchenne têm fraqueza e perda progressiva da função muscular, a qual começa nos membros inferiores. O gene DMD é o segundo maior conhecido e codifica a proteína muscular, distrofina. Meninos com distrofia muscular de Duchenne não fabricam a proteína distrofina nos músculos.

A distrofia muscular de Duchenne afeta aproximadamente 1 em cada 3.500 nascimentos de meninos no mundo. Uma vez que é uma desordem herdada, os riscos incluem histórico familiar de distrofia muscular de Duchenne.

PUBLICIDADE

Sintomas da distrofia muscular de Duchenne

Os sintomas da distrofia muscular de Duchenne geralmente aparecem antes dos 6 anos de idade, podendo se manifestar bem mais cedo. Tipicamente, o primeiro sintoma que pode ser notado é um atraso em sentar e ficar em pé sem ajuda. A idade média para meninos com distrofia muscular de Duchenne caminharem é de 18 meses. Há fraqueza muscular progressiva dos músculos pélvicos e das pernas, a qual está associada com perda de massa muscular. Essa fraqueza muscular causa andar gingado e dificuldade de subir escadas. A fraqueza muscular também pode ocorrer nos braços, pescoço e outras áreas, mas não tão severamente ou precocemente como na parte inferior do corpo.

As panturrilhas inicialmente aumentam e o músculo maior é eventualmente substituído por gordura e tecido conectivo (pseudo-hipertrofia). Contraturas musculares ocorrem nas pernas, tornando os músculos não utilizáveis porque as fibras musculares encurtam e ocorre fibrose no tecido conectivo. Ocasionalmente há dor nas panturrilhas.

Os sintomas geralmente aparecem em meninos de 1 a 6 anos de idade. Existe um declínio constante na força muscular entre os 6 e 11 anos de idade. Pelos 10 anos, aparelhos podem ser necessários para caminhar. Por volta dos 12 anos, a maioria dos meninos precisa de cadeira de rodas. Os ossos se desenvolvem anormalmente, causando deformidades ósseas da espinha e outras áreas.

Fraqueza muscular e deformidades ósseas freqüentemente contribuem para transtornos respiratórios. Cardiomiopatia (coração aumentado) ocorre em quase todos os casos, começando na pré-adolescência em alguns, e depois dos 18 anos em todos. Prejuízo intelectual pode ocorrer, não é evitável e não piora à medida que a doença progride.

Algumas pessoas com distrofia muscular de Duchenne vivem depois dos 30 anos de idade. Complicações respiratórias e cardiomiopatia são as causas comuns de morte.

PUBLICIDADE

Diagnóstico da distrofia muscular de Duchenne

A distrofia muscular de Duchenne é diagnosticada de várias formas. O diagnóstico clínico pode ser feito quando um menino tem fraqueza muscular progressiva simétrica. Os sintomas são presentes antes dos 5 anos de idade, e freqüentemente há níveis extremamente altos de creatina quinase no sangue. Sem tratamento, a maioria dos meninos fica dependente da cadeira de rodas antes dos 13 anos de idade.

Pode ser feita biópsia muscular para verificar níveis anormais de distrofina. Um menino com distrofia muscular de Duchenne não terá distrofina. Alguns meninos podem ter uma quantidade intermediária da proteína distrofina, sendo freqüentemente diagnosticados como tendo distrofia muscular de Becker.

Testes genéticos em amostra de sangue procurando por alterações no gene DMD podem ajudar a estabelecer o diagnóstico de distrofia muscular de Duchenne sem a biópsia muscular. Os testes genéticos podem detectar a doença em quase 95% dos casos. Pessoas que foram diagnosticas com distrofia muscular de Duchenne pelo biópsia, mas não pelos testes genéticos, ainda possuem alteração no gene, mas em áreas que não são examinadas pelos testes genéticos atuais.

Para os indivíduos restantes, uma combinação de achados clínicos, histórico familiar, concentração de creatina quinase e biópsia muscular com estudo da distrofina confirmam o diagnóstico. Creatina quinase é uma enzima que está presente normalmente em altas concentrações nas células musculares. Durante o processo de degeneração muscular, as células musculares são constantemente quebradas e seu conteúdo vai até a corrente sanguínea. Desta forma, níveis elevados de creatina quinase podem ser detectados a partir de teste de sangue como medida do dano muscular. Níveis elevados podem ser resultado de várias outras razões, incluindo lesão muscular aguda.

Tratamento para distrofia muscular de Duchenne

O tratamento para a distrofia muscular de Duchenne foca nos seus sintomas. São usados medicamentos anti-congestivos para controle agressivo da cardiomiopatia dilatada. Em casos severos, é preciso transplante cardíaco. Aparelhos para auxiliar em complicações respiratórias podem ser necessários, especialmente à noite. 

O medicamento prednisona, um esteróide, é dado para melhorar a força e função das pessoas com distrofia muscular de Duchenne. A prednisona tem mostrado prolongar a capacidade de caminhar por 2 a 5 anos. Porém, possíveis efeitos colaterais incluem ganho de peso, pressão alta, alterações comportamentais e crescimento retardado. Uma forma sintética de prednisolona, chamada Deflazacort, é usada na Europa e acredita-se ter menos efeitos colaterais que a prednisona. Um medicamento chamado ciclosporina tem sido usado e mostrado melhora na função clínica de crianças. Porém, seu uso é controverso devido a miopatia induzida por esse medicamento. Oxandrolona, um medicamento usado em um estudo, tem efeitos similares à prednisona com menos efeitos colaterais.

Fisioterapia é utilizada para melhorar a mobilidade e prevenir contraturas. Cirurgia pode ser necessária para contraturas severas e escoliose.

A distrofia muscular de Duchenne é hereditária?

A distrofia muscular de Duchenne é herdada do cromossomo X. Homens têm somente uma cópia do cromossomo X, herdado da mãe, e uma cópia do cromossomo Y, herdado do pai. Se o seu cromossomo X tiver mutação genética de distrofia muscular de Duchenne, ele terá essa doença. 

Já as mulheres têm duas cópias dos cromossomos X. Por isso, se uma cópia não funcionar, elas têm outra cópia para produzir a proteína distrofina. A mulher que tem alteração genética em uma das duas cópias do cromossomo X é chamada portadora da distrofia muscular de Duchenne. As portadoras não têm a distrofia muscular de Duchenne e a maioria não sabe que poderia carregar essa alteração no material genético, a menos que conheçam um caso na família. Porém, estudo recentes tem mostrado que algumas mulheres portadoras apresentarão sintomas da distrofia muscular de Duchenne, incluindo fraqueza muscular e anormalidade cardíacas.

Mulheres portadoras da cópia alterada do gene possuem 50% de chance de o passar em cada gravidez. Desta forma, há 25% de chances de terem sua criança com distrofia muscular de Duchenne (50% de chance do menino ter distrofia muscular de Duchenne e 50% da menina ser portadora).

A chance de uma mulher que tem um filho com distrofia muscular de Duchenne, e que não possui nenhum histórico familiar, ser portadora é de aproximadamente 2/3. Nos 1/3 remanescentes com distrofia muscular de Duchenne, a mutação do gene é uma nova alteração genética. 

Homens que herdam ou nascem com uma cópia alterada do gene da distrofia muscular de Duchenne terão a doença, uma vez que possuem um cromossomo Y e não outro X. Se um homem com distrofia muscular de Duchenne tiver filhos, todas as meninas serão portadoras e nenhum dos meninos será afetado. 

Atualmente opções reprodutivas estão disponíveis para as famílias com mulheres portadoras. As opções pré-concepção incluem tecnologia que pode separar esperma contendo cromossomos X, aumentando as chances de ter uma menina. A segunda opção reprodutiva é o diagnóstico genético pré-implantação, o qual é uma técnica que permite que as células de um ovo fertilizado possam ser testadas para determinas se contêm alteração no gene e então implantar os ovos sem alteração.

PUBLICIDADE


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Artigos relacionados:
Distrofia Muscular
Síndrome do X frágil - O que é, sintomas, tratamento
Deficiência mental e Síndrome do X frágil
Gravidez ectópica e tubária
Exercícios físicos e atividade física na gravidez
Anencefalia
Defeitos de Nascença - Genética, consumo de álcool, drogas e cigarro
Atividade Física e Síndrome de Down
Coração de Mãe
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte II
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte III - dados e os fatos
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte IV
Síndrome de Down
Corrida durante a gravidez
Saúde da criança e escolhas saudáveis
Depressão infantil
Cães ajudam jovens com síndrome de down
Teste do Pezinho ou triagem neonatal
Teste do olhinho evita cegueira infantil
Indução do trabalho de parto
Aborto Espontâneo
Gravidez na adolescência
Ligadura de trompas
Vasectomia - Reversão, masculinidade e outros mitos
Cirurgia de vasectomia
Pílula anticoncepcional
Dieta da Fertilidade
Inseminação Artificial
Fertilização in vitro - Bebê de proveta
Fertilidade Feminina
Fertilidade e infertilidade - Tratamentos e causas
Tratamento da infertilidade - Reprodução assistida, testes, remédios e cirurgia
Endometriose - O que é, sintomas
Endometriose - Gravidez, tratamento, tem cura?
Infertilidade feminina - Causas, diagnóstico e tratamento
Infertilidade
Espera mais longa para gravidez em casais obesos
Pílula anticoncepcional eleva risco de trombose
Endometriose
Infertilidade masculina - Varicocele
Recomendações quanto à prática de exercícios durante a gravidez: atividades, benefícios e cuidados
Mulheres grávidas podem correr e participar de competições?
Diabetes gestacional - Diagnóstico, dieta, tratamento
Pré-natal - Exames pré-natais
Pré-natal - Exames, acompanhamento e cuidados pré-natais
Pré-eclampsia e eclampsia - Pressão alta na gravidez - Sintomas, tratamento
Gravidez de alto risco
Sintomas de gravidez
Menopausa - Sintomas
Câncer de ovário - Sintomas e tratamento de tumores malignos nos ovários
Histerectomia total, parcial e radical
Menopausa precoce
Menopausa
Idade da menopausa
Anovulação
Teste de gravidez caseiro de farmácia funciona?
Ovulação - Teste de gravidez caseiro de urina
Beta hcg
Ovulação - Sintomas
Ultra-sonografia
Gravidez - Terceiro trimestre de gestação
Gravidez - Segundo trimestre de gestação
Gravidez - Primeiro trimestre
Parto prematuro e Bebê prematuro
Condiloma Acuminado ou Verruga Genital
Deficiência mental e Síndrome do X frágil
Gravidez ectópica e tubária
Exercícios físicos e atividade física na gravidez
Anencefalia
Daltonismo - Causas e tratamento
Fenilcetonúria - O que é, sintomas, tratamento, dieta
Síndrome de Rett - Causa, sintomas, tratamento
Síndrome de Prader-Willi - O que é, sintomas, tratamento
Defeitos do tubo neural - Espinha bífida e anencefalia
Persistência do canal arterial - O que é, causas, sintomas, tratamento
Defeito cardíaco congênito - Sintomas e tratamento
Defeitos cardíacos congênitos - O que são, tipos
Defeitos de Nascença - O que são, chances de ter
Síndrome de Menkes
Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Tradução: copyright © 2011 por Helio Augusto Ferreira Fontes
Texto: genome.gov