A corrida dos braços e a musculação

Musculação - CDC/ Amanda Mills

É certo que boa parte de quem começa um programa de corrida rústica se preocupa logo em planos de treinamentos baseado em quantos quilômetros correr por dia ou na semana, qual o equipamento melhor, alimentação antes, durante e depois do treino ou competição e ainda qual o tipo de passada melhor. Entretanto, um detalhe que ainda alguns corredores esquecem é a importância do movimento dos braços na biomecânica da corrida.

Não só os braços como toda a parte superior do corpo é extremamente importante para uma corrida eficiente. O corredor não corre só com as pernas. De nada adianta ter pernas fortes e resistentes, passada bem coordenada e veloz se não tiver uma caixa torácica boa e flexível que permita boa expansão pulmonar captando e distribuindo oxigênio suficiente para a demanda da corrida.

Engana-se quem pensa que os músculos do tórax e abdome atuam apenas na função de inspiração/expiração.

PUBLICIDADE

Eles ajudam no pequeno e importante movimento de rotação da pelve de um lado para o outro quando cada perna vai à frente e o braço oposto vai para trás além de auxiliar na postura. É um movimento que permanece o tempo todo enquanto dura a corrida podendo se tornar cansativo se não estiverem fortalecidos e flexíveis.

Não é raro vermos corredores em provas longas perderem rendimento não por cansaço das pernas, mas pela questão do “elo mais fraco”. Ou seja, a parte superior do corpo. Se os músculos do tronco, braços e ombro cansarem primeiro o corredor assume uma postura cifótica (corcunda) prejudicando o fornecimento de oxigênio por conta da diminuição da expansão torácica. Simples assim. Quando isso acontece nos dá a impressão que o corredor não sabe o que fazer com os braços deixando-os arriados ou cruzando na frente do corpo como se quisesse jogá-los fora.

PUBLICIDADE

Eu que conheço muito bem o perfil do corredor no geral, sei que boa parte não gosta de fazer musculação, mas ela é necessária e os músculos da parte superior do corpo têm a mesma importância que os músculos das pernas.

Os peitorais

Junto com o abdome são responsáveis por manter a postura ereta do corredor principalmente no terceiro terço de corrida longa. A postura, como citado, tem a importância na facilitação da respiração, domínio do centro de gravidade e manutenção do ritmo da passada escolhida pelo corredor.

Recomenda-se variar os exercícios destinados a esse grupo muscular a fim de facilitar não só a expansão torácica como a movimentação dos braços que acompanham o ritmo das pernas. Se observarmos a chegada e uma corrida de 100 metros rasos veremos que o velocista parece correr com todos os músculos do corpo e não seria exagero dizer inclusive os da face. Assim como o maratonista cresce o peito em busca do ar no “sprint” final. O supino com suas variações, o crucifixo, o voador e o apoio de frente sobre o solo são exercícios mais indicados.

As costas

Latíssimo do dorso, rombóide e redondo maior - São músculos das costas antagônicos aos peitorais responsáveis também pela postura e trabalham em equilíbrio com os músculos anteriores do corpo. A barra fixa, as remadas e as puxadas com suas variações são os exercícios mais conhecidos a serem executados.

Os braços

A articulação do ombro permite uma movimentação de 360° ou quase isso. Por ser rasa o que permite a cabeça do osso úmero realizar todo o movimento perfeitamente encaixado na cavidade chamada glenóide da escápula são os músculos do manguito rotator localizados nas costas formando a cintura escapular ajudados pelo deltóide e trapézio que formam por assim dizer uma capa protetora entre o ombro e o pescoço. As remadas são bem específicas para a cintura escapular. De sã consciência. Qualquer corredor pode achar que ficaria prejudicado se sentir dores na articulação do quadril.

Entretanto, dores na articulação do ombro que limite a movimentação do braço podem reduzir o desempenho em até 30% pela perda da coordenação com as pernas e o equilíbrio na fase da passada chamada vôo quando o corredor está no ar.

Como os braços devem se manter flexionados o tempo todo, os músculos bíceps, tríceps, braquial e os dos antebraços precisam de resistência suficiente para realizar esse trabalho. Se eles cansam antes da prova terminar o corredor perde rendimento deixando-os arriados. As roscas bíceps, tríceps com suas variações e a flexão/extensão de punho são os exercícios destinados aos braços. Agora o mais importante. A musculação adequada à corrida deve ser prescrita por profissional de Educação Física.

Cartas para essa coluna:
Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 3529 - E-mail: lcmoraes@compuland.com.br

Para Refletir: Essa maravilhosa máquina humana pode ser comparada a um relógio de precisão. Basta uma pecinha fora do lugar para não funcionar direito (Moraes 2014).
Sobre a Ética: A vida é feita de contrastes para encontrar equilíbrio! (Moraes 2014).

Saiba mais:
Importância da movimentação dos braços para a corrida
Musculação para corredores
Iniciando na Musculação - O Be-A-Bá
Corredores devem fazer musculação?
Musculação ajuda a performance dos corredores de fundo?
Exercícios de Musculação para Corredores
Musculação - Treino de força para corredores deve ser o ano todo
Plano de 10 passos para uma corrida eficiente
Amplitude de Movimentos na Musculação
Erros mais comuns cometidos por quem frequenta academia
Malhar em academia - Vantagens e possíveis desvantagens
Academia - Porque as pessoas desistem
Musculação
Treinamento em Circuito
Exercício avanço é bom para os glúteos e posteriores de coxa


PUBLICIDADE


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Texto copyright © 2014 por Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 003529
lcmoraes@petrobras.com.br | lcmoraes@compuland.com.br  
Leia mais artigos sobre esporte e saúde no site Notícias do Corpo

Menu da Seção Treinamento Esportivo
Guia para Começar a correr | O Caminho para o Sucesso na Maratona
Perguntas e Respostas | Programas de Treinamento
Treinadores Online | Artigos | Fisiologia do exercício | Livros | Livros em Inglês

VoltarVoltar