Copacabana Runners

Câncer de colo do útero ou cervical - Tratamento com cirurgia, radioterapia e quimioterapia

Opções de tratamento para câncer de colo do útero ou cervical

Mulheres com câncer de colo do útero, ou cervical, têm muitas opções de tratamento. As opções são cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou combinação desses.

A escolha do tratamento depende principalmente do tamanho do tumor, se o câncer espalhou, e se a mulher deseja engravidar algum dia.

O médico pode descrever as opções de tratamento, resultados esperados e possíveis efeitos colaterais. A paciente e o médico devem trabalhar juntos para desenvolver um plano de tratamento que atenda as necessidades médicas e pessoais.

O médico da paciente pode a encaminhar a um especialista, que pode ser um oncologista ginecológico, o qual se especializou em tratar cânceres femininos. Outros especialistas que tratam câncer de colo do útero incluem ginecologistas e oncologistas.

Antes do tratamento começar a paciente deve perguntar sobre os possíveis efeitos colaterais e como o tratamento pode alterar suas atividades normais. Uma vez que o tratamento contra câncer freqüentemente danifica células e tecidos saudáveis, efeitos colaterais são comuns. Esses efeitos colaterais podem não ser os mesmos para cada pessoa, e podem mudar de uma sessão de tratamento para a próxima.

Cirurgia no tratamento do câncer de colo do útero ou cervical

A cirurgia é uma opção de tratamento para mulheres com câncer de colo do útero em estágio I ou II. O cirurgião remove tecido que pode conter células cancerosas. Entre as opções de cirurgia estão:

* Traquelectomia radical. Essa cirurgia remove o cérvix, parte da vagina e linfonodos na pélvis. Essa opção de cirurgia é para pequeno número de mulheres com tumores menores que querem engravidar no futuro.

* Histerectomia total. Remove o cérvix e útero.

* Histerectomia radical. Essa cirurgia remove o cérvix e algum tecido ao redor dele, útero e parte da vagina.

Tanto na histerectomia radical como na total o cirurgião pode remover outros tecidos como tubos de falópio, ovários e linfonodos.

Radioterapia no tratamento do câncer de colo do útero ou cervical

A radioterapia, ou terapia por radiação, é uma opção para mulheres com câncer de colo do útero em qualquer estágio. A mulher com estágio inicial de câncer de colo do útero pode escolher a radioterapia no lugar da cirurgia. A radioterapia pode ser usada depois da cirurgia para destruir qualquer célula cancerosa que permaneceu na área. Mulheres com câncer que se estende para além do colo do útero pode passar por radioterapia e quimioterapia.

A radioterapia utiliza raios de muito energia para matar as células cancerosas. Ela afeta as células somente na área tratada. Os médicos usam dois tipos de radioterapia para tratamento do câncer de colo do útero. Algumas mulheres recebem ambos os tipos:

* Radioterapia externa. Uma grande máquina direciona radiação à pélvis ou outros tecidos nos quais o câncer se espalhou. O tratamento geralmente é feito em hospital ou clínica. A paciente pode receber radioterapia externa 5 dias por semana por várias semanas. Cada tratamento dura apenas alguns minutos.

* Radioterapia interna. Um tubo fino é colocado dentro da vagina. Uma substância radioativa é carregada para dentro do tubo. A paciente pode precisar permanecer no hospital enquanto a fonte radioativa estiver colocada (até 3 dias) ou a sessão de tratamento pode durar alguns minutos e pode-se ir para casa depois. Depois que a substância radioativa for removida, nenhuma radiação é deixada no corpo. Radioterapia interna pode ser repetida duas ou mais vezes por várias semanas.

Os efeitos colaterais dependem principalmente da quantidade de radiação e a parte do corpo tratada. Radiação no abdômen e pélvis pode causar náusea, vômito, diarréia ou problemas urinários. A paciente pode perder os pêlos na área genital. A pele na área tratada pode ficar vermelha, seca e sensível. A paciente também pode ter secura, coceira ou queimação na vagina. O médico pode aconselhar a paciente a só ter relações sexuais depois que o tratamento com radioterapia terminar.

Quimioterapia no tratamento do câncer de colo do útero ou cervical.

No tratamento de câncer de colo do útero a quimioterapia geralmente é combinada com radioterapia. Para câncer que se espalhou para órgãos distantes, a quimioterapia pode ser usada sozinha.

Quimioterapia usa medicação para matar células cancerosas. A medicação para câncer de colo do útero geralmente é dada por via intravenosa. Os efeitos colaterais dependem principalmente de quais medicamentos são dados e em que quantidade. A quimioterapia mata células cancerosas, mas também pode danificar células normais que se dividem rapidamente, como:

* Células sanguíneas. Quando a quimioterapia diminui os níveis de células sanguíneas saudáveis a pessoa tem maior probabilidade de contrair infecções, se ferir ou sangrar mais facilmente. A paciente também pode se sentir fraca e cansada.

* Células na raiz de pêlos e cabelos. A quimioterapia pode causar perda de pêlos e cabelo.

* Células no revestimento do trato digestivo. A quimioterapia pode causar perda de apetite, náusea, vômito, diarréia e feridas na boca e lábios.

Nutrição e atividade física

É importante que a paciente com câncer de colo do útero cuide bem de si mesma com boa alimentação e atividade física. 

A paciente precisa de quantidade correta de calorias para manter um bom peso. Ela também precisa de proteínas para manter a força. Comer bem pode ajudar a se sentir melhor e ter mais energia. Porém, a paciente pode ter perda de apetite durante o tratamento, além de se sentir desconfortável ou cansada. O médico ou nutricionista pode sugerir formas de enfrentar esses problemas.

Pesquisas mostram que pessoas com câncer sentem-se melhor quando permanecem ativas fisicamente. Caminhada, yoga, natação e outras atividades podem manter a pessoa forte e elevar sua energia. Exercícios podem reduzir náusea e dor, tornando o tratamento mais fácil de lidar. Atividade física também pode aliviar o estresse. Qualquer que seja a atividade física escolhida pela paciente, deve-se conversar com o médico antes de iniciar. Se a atividade física causar dor ou outros problemas, a paciente deve conversar com o médico.




Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:



Assine o nosso boletim e saiba quando forem publicados artigos
Seu e-mail aqui:

Oferecido por FeedBurner

comments powered by Disqus

Artigos relacionados:
Câncer de colo do útero ou cervical - Causas e fatores de risco
Câncer cervical ou de colo do útero - Sintomas, detecção e diagnóstico
Tabagismo e problemas de saúde
Reposição hormonal a mulheres com histórico de câncer
Luta contra o Câncer - Alimentação e hábitos alimentares

Extrato de chá verde contra o câncer
Promessas de Curas Milagrosas de Câncer, AIDS, Artrite, doença de Alzheimer
Quimioterapia - O que é, tipos
Radioterapia
Quimioterapia e efeitos colaterais
Leiomioma de Útero - Mioma uterino
Métodos anticoncepcionais ou contraceptivos
Métodos anticoncepcionais - Contraceptivos e informação
Dor pélvica - Causas e tratamento
Fibrose Uterina
Check-up médico para a mulher
Teste de Papanicolau
Dor na Relação Sexual e Saúde Sexual Feminina
Câncer de ovário - Sintomas e tratamento de tumores malignos nos ovários
Histerectomia total, parcial e radical Yoga e Musculação se Completam?

Verrugas vulgares, comuns, genitais, planas, filiformes, plantares - Causas e HPV
Verrugas - Tratamento e prevenção

Doenças sexualmente transmissíveis - DST:
Herpes - Cura e tratamento
Herpes - Contágio e prevenção
Herpes simplex - Labial, neonatal, genital, tipo 1 e 2 - Sintomas
Herpes genital
Os perigos do beijo na boca
Dicas para corredores portadores do HIV
Transmissão vertical do HIV controlada
Camisinha e AIDS - Eficiência dos preservativos contra o HIV
HIV e AIDS - Qual a diferença?
HIV Positivo e sintomas da AIDS
Tratamento para HIV / AIDS
Mulher e AIDS - Orientações para mulheres com HIV
HIV e sua transmissão - Beijo, saliva, lágrimas, suor, picadas de insetos
Transmissão do HIV - Sexo oral e AIDS
Vírus HIV
Cura da AIDS e Prevenção - Pesquisas para vacina e microbicidas
Vacina para HIV / AIDS
HIV e AIDS - Você está sob risco? O que é, como se proteger e teste
Hepatite B
Hepatite A
Tipos de Hepatite
Epididimite aguda e crônica
DSTs na gravidez
DSTs - Testes, diagnóstico, tratamento e prevenção
DSTs mais comuns, sintomas
Tipos de DST
Doença inflamatória pélvica - Causas, sintomas e complicações
Doença inflamatória pélvica - Diagnóstico, tratamento e prevenção
Herpes genital masculina e feminina - O que é, causas, diagnóstico, transmissão
Herpes genital tem cura? Como prevenir e tratamento
Gonorréia
Sífilis - O que é, tratamento, na gravidez
Sífilis primária, secundária e terciária - Sintomas
Sífilis - Prevenção, tratamento, congênita
Candidíase genital
Uretrite - O que é, causas, sintomas e tratamento
Cervicite - O que é, causas, sintomas e tratamento
Clamídia
AIDS - Transmissão e prevenção do HIV
HPV no homem - Infecção anal entre homens
Proteção contra HPV
Citomegalovírus na Gravidez - Transmissão e Tratamento
Citomegalovírus congênito - Infecção na gestação
Citomegalovírus - Transmissão e gravidez
Citomegalovírus - O que é, infecção congênita, transmissão, diagnóstico
Donovanose ou Granuloma Inguinale
Linfogranuloma venéreo - O que é, sintomas, tratamento
Tricomoníase
Candidíase - Sintomas, tratamento, medicamento, peniana, no homem
Vaginite por cândida, tricomoníase, vaginose bacteriana - Sintomas e tratamento
Corrimento vaginal - Vaginite

Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Tradução: © 2009, Hélio Augusto Ferreira Fontes
Texto:
National Cancer Institute

VoltarVoltar a mulher corredora